sexta-feira, 26 de agosto de 2016

“Corre e Costura” - SBT estreia reality show sob comando do estilista Alexandre Herchcovitch



Em desafio inédito, Herchcovitch precisa criar e produzir um look completo em apenas 48 horas
Para criar uma roupa assinada pelo estilista brasileiro, e reconhecido  internacionalmente,  Alexandre Herchcovitch, esqueça todo o glamour, um ateliê lotado de assistentes e todos os equipamentos e materiais necessários.

No novo reality show do SBT, “Corre e Costura”, que é uma coprodução da FOX Networks Group Brasil com a Conspiração, Alexandre precisará correr contra o tempo para agradar clientes que ele nunca viu antes e, em apenas 48 horas, conhecê-los, criar e produzir o pedido de forma impecável. 



“Agora no SBT, o ‘Corre e Costura’ vai chegar a muito mais pessoas. Todas estas poderão assistir a muita emoção, humor e a realização do sonho de muita gente que quer ter uma roupa exclusiva, sob medida e assinada por mim. Estou feliz de fazer parte da equipe de talentos do SBT. Tenho ótimas lembranças de programas da emissora e também de Silvio Santos, que sempre fez parte dos lares brasileiros", conta o estilista Alexandre Herchcovitch.

O reality conta com oito episódios de meia hora, e em cada um deles, Herchcovitch conhecerá pessoas comuns, que estão passando por algum momento especial, ou terão algum evento importante em suas vidas, e que esperam encantar, também, com as roupas que estarão usando. 

Durante os episódios, o estilista contará com a ajuda de sua mãe, Regina Herchcovitch, presente em toda sua jornada e sua grande mentora na arte do corte e costura, e de Rhody, seu amigo palpiteiro e responsável por encontrar todos os materiais pedidos por Alexandre para produzir as roupas neste desafio. A direção é de Rafael Baroni, com direção geral de Christiano Metri.

Momento Coletiva de Imprensa no SBT

“Não vou apenas criar um look, vou colocar a mão na massa, modelar, pensar em cada detalhe e costurar. Mais do que um desafio é uma oportunidade de desmistificar e mostrar que não é só glamour, mas sim, muito trabalho”, adianta Herchcovith.

Personagens e locais são outro destaque do reality. O estilista produzirá roupas para um time de futebol completo, um casal paquistanês, uma fisiculturista e até uma noiva. Além disso, para colocar a mão na massa, ele precisará encontrar um lugar para costurar e preparar suas criações: galpões, brechó e um teatro serviram de ateliê para os Herchcovitch.

Fernando Pelegio, diretor de Planejamento Artístico e Criação do SBT,  diz que "trazer o reality show para a TV aberta, significa: o reality mostra que um estilista badalado, como Alexandre Herchovitch, pode muito bem trafegar em todas as classes”.

“Esse é um reality que nunca tivemos antes. Um estilista renomado, despido de qualquer tipo de conforto e colocado à prova para mostrar que moda, roupas e estilo não é apenas o que vemos nas passarelas. Ter o Alexandre Herchcovitch passando por desafios como os que o colocamos é, não só uma honra, mas também uma grande chance de apresentar uma nova visão sobre o tema”, tema”, pontua Zico Goes, Diretor de Conteúdo da FOX Networks Group Brasil.

“Corre e Costura”, estreia sábado, 27 de agosto, das 19h15, no SBT.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Segundona, bem vinda!!!


Bem vinda, Segundona de inverno ensolarada!!! Na força e inspiração do Deus Criador, sempre, e, um cafézinho, por favor? Muitas novidades no www.universoderose.com.br

 "Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o seu coração porque dele procedem as saídas da vida." - Rei Salomão, em provérbios 4:23

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Cristiana Lôbo, nos bastidores da política há 37 anos, nos conta um pouco de sua rotina

Cristiana Lôbo (chamada carinhosamente de “Loba” pelos colegas), está acostumada aos vendavais de notícias que assolam o Planalto Central.

 Nesses quase 40 anos de carreira, ela que já passou por veículos Folha de Goiás, O Globo, O Estado de S. Paulo, Jornal de Brasília, desde 1998 transformou-se em porta-voz da GloboNews sobre as informações que rodeiam o centro do poder. “São muitas notícias e reviravoltas num dia só. E, como estou em Brasília, tento explicar o que está acontecendo em nosso país. Isso às vezes começa bem cedo e só termina no fim do dia”.

Vencedora da categoria “Comentarista ou Colunista de TV” da 11ª edição do Troféu Mulher IMPRENSA, veja o que ela conversou com o Universo de Rose – rotina, mais jornalismo, o que rola por trás dos bastidores... Confira em EntreVIPs, no Portal! 


quarta-feira, 20 de julho de 2016

Rodrigo Hilbert é porta-voz de plataforma de troca e doações de alimentos saudáveis

"FarmSquare" promove o encontro de produtores que querem doar alimentos saudáveis com quem busca por eles

Dono de uma horta em que cultiva produtos para consumo próprio, ele tentou algumas vezes doar o excesso da sua produção, mas sempre esbarrou na burocracia. "Meu questionamento era: como conectar quem produz com quem quer receber alimentos?", explica Hilbert.



Oferecer uma alternativa que facilite o acesso de alimentos saudáveis nas cidades, e que ao mesmo tempo combata o desperdício de alimentos. Foi esse desafio que levou Rodrigo Hilbert a procurar parceiros para desenvolverem uma ferramenta social para promover o acesso a frutas, legumes e verduras, conectando diretamente quem cultiva os alimentos com quem procura por eles, sem intermediários. 

A inspiração nasceu de primeiro de um encontro da marca Del Valle com o apresentador Rodrigo Hilbert e, depois, somaram novas pessoas e empresas com a missão de conceber uma comunidade conectada que busca tornar o mundo um lugar um pouco melhor.

Além da Del Valle e do Rodrigo Hilbert se juntam a FarmSquare parceiros como Gerd Sparovek, estudioso das ciências do uso do solo, David Hertz, Chef e Empreendedor Social, Niiez, estúdio de design e consultoria criativa, e a CI&T, responsável pela programação.

Os interessados podem buscar ofertas de doação e troca de alimentos e também se cadastrar como doador. Para isso, basta ser produtor de qualquer tipo de fruta, verdura ou legume - seja em uma horta ou na janela de um apartamento.

Fabiane Abel, Broadcaster

+55 11 95228-7636
+55 11 2360-9326
fabiane@soko.cx 

terça-feira, 3 de maio de 2016

Receitinhas Delícia, no Site Universo de Rose. Corre lá...


Para você que ama Gastronomia, passa lá no Portal @Universoderose. Cada dia uma novidade para acrescentar um estilo de vida mais saudável à sua vida: www.universoderose.com.br

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Dalton Rangel abraça causa da ABRAF

Dalton Rangel vestiu a camiseta da ABRAF (Associação Brasileira de Amigos e Familiares de Portadores de Hipertensão Pulmonar) para participar da campanha Perca o fôlego pelos pacientes com hipertensão pulmonar.

O chef do Hoje em Dia e do Homens Gourmet postou uma foto em suas redes sociais usando a camiseta da campanha e chamando atenção para a causa: “Galera, a hipertensão pulmonar causa o aumento da pressão nas artérias do pulmão, não tem cura e é dificilmente diagnosticada! Visto essa camisa apoiando a campanha da ABRAF, ‘perca o fôlego pela hipertensão pulmonar’, para alertá-los dos principais sintomas: *Falta de ar; *Fadiga; *Cansaço”, escreveu Dalton Rangel.

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

O inferno do Nomadismo, por Heródoto Barbeiro

Na semana passada, o mundo ficou chocado e ainda mais triste com a cena de Aylan Kurdi,  menino sírio de 03 anos, que apareceu morto com o rosto quase enterrado à beira-mar na praia turca de Ali Hoca, no vilarejo de Bodrum. 

O jornalista e âncora da Record News escreveu um texto bem esclarecedor sobre o drama que vivem famílias de refugiados, cuja intenção é deixar o sofrido lugar de origem para se agarrar a uma chance de vida em destino desconhecido e numa travessia repleta de riscos.



Por Heródoto Barbeiro



Uma das grandes conquistas da civilização se passou quando grupos humanos chegaram à beirada de grandes rios. Vinham de locais contíguos tocados pela fome e a perseguição aos animais que procuravam água. Eram caçadores e coletores de frutos. Não podiam viver sem a caça, por isso migravam atrás dela. O encontro com os rios, a descoberta dos metais moles, mas bons para as ferramentas que pudessem  remexer as margens barrentas, contribuíram para a revolução do neolítico. Uma de suas características foi a troca do nomadismo pelo sedentarismo. Este pressupunha segurança, constituição de povoados, organização mínima da produção, e os primeiros passos para a criação de um poder estatal e religioso, que quase sempre ser confundiam. O rio ganhou espírito, alma, representação no panteão dos deuses e as preces pela bonança da colheita. Com isso a fome se atenuou e o ser   humano se estabeleceu em palafitas sobre as águas. Ficou para trás os tempos de mudar constantemente de lugar para lugar em busca da sobrevivência. O advento da sociedade hidráulica, entre tantas outras conquistas consolidou o homem na sua casa, na sua vila, no seu reino, ao lado do seu templo e no meio de sua família. 

Migrações em massa são sempre provocadas por grande desgraças. Como a perpetuada pelos colonizadores para tirar proveito do Brasil. O tráfico de escravos trouxe aproximadamente três milhões e meio de imigrantes da África para o Brasil. Foram obtidos por raptos, guerras de todo tipo ou pela compra através de troca de produtos coloniais como rum, fumo  de terceira categoria ou cachaça. Essa migração foi contínua uma vez que era adequada para o sistema colonial vigente. As populações eram aprisionadas, enfiadas nos porões dos navios negreiros, suas aldeias eram destruídas e liquidados os  clãs e as famílias. Era uma migração forçada, na época da acumulação capitalista. Durante trezentos anos essas pessoas chegaram ao Brasil negociadas como mercadorias, sem direitos de qualquer espécie, e com a vida curta sob o sol e debaixo do chicote. A estabilidade da aldeia originária com seus costumes, cultura, modo de vida acabou. Eram migrantes, podiam ser vendidos e transportados de um lado para o outro para trabalhar ora na cana de açúcar, ora no ouro ou café.  

As guerras atuais mostram que o poder de arrancar as famílias de suas casas, as crianças das escolas aumentou na proporção que o armamento e a estupidez cresceram no Século 21. Segundo a ONU há 60 milhões de refugiados no mundo. Os motivos das perseguições são a recusa de quem não quer se dobrar diante da violência, da falta de democracia e liberdade de cultuar os seus deuses e ancestrais. Fugiram do massacre, do estupro, da bit-escravidão, dos bombardeios em massa. Recusaram-se a aderir a uma religião e a um modo de vida que não queriam. Por isso foram  mais torturados. Fuzilamentos, massacres, genocídios e degolas são o motor dessa transumância contemporânea. Fugir, não importa para onde. Deixar o inferno para trás. Procurar uma réstia de sol e de esperança nem que seja preciso se lançar no mar, arriscar a vida nas ondas, ou deixar o corpo de uma criança afogada na praia.

Heródoto Barbeiro é Jornalista, âncora do Jornal da Record News e do R7, ex-apresentador do Roda Vida da TV Cultura e do Jornal da CBN. Ex diretor e gerente de jornalismo do Sistema Globo de Rádio-SP. Foi professor de história da USP. Autor de dezenas de livros. Ganhou os prêmios Ayrton Senna, Líbero Badaró, UNESCO, Associação dos Economistas, APCAs, Comunique-se dentre muitos outros. É proprietário da Reserva Mahayana na Mata Atlântica e apoiador da SAT – Sociedade Ambiental (Amigos) de Taiaçupeba.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails